quinta-feira, 28 de abril de 2011

Preconceito

video

O mundo não ia acabar só em 2012?

Sandy... devassa...
Faustão... magro...
Silvio Santos... pobre...

Lázaro Ramos... galã...
Ronaldinho Gaúcho... condecorado pela Academia Bras. de Letras...
Dilma... fazendo omelete na Ana Maria Braga....
Tiririca... na Comissão de Educação...
Maluf e Collor... na Comissão da Reforma Política...
Genoíno... na Assessoria de ética do Governo e no Ministério da Defesa...

Oh Lord, won't you buy me.... ?

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Leis de Deus

Quem realmente somos?
Isso pode ser determinado pelas leis de Deus?
Nosso comportamento vai determinar aquilo que somos? Quem somos?

O sacrifício de Jesus deu à humanindade a prova de seu amor.

''Jesus morrer por nós por AMOR, para que a Lei agora, não venha nos oprimir! Mas que a lei agora venha nos apaixonar, ou seja, eu obedeço por que amo aquele que se entregou por mim, por paixão, por amor!''

O amor de Jesus vai fazer com que a gente disperte essa vontade, isso vai gerar um comportamento puro, uma busca do homem a uma semelhança com seu criador. O objetivo de Jesus era motivar esse comportamento de amor nas pessoas. Acredita-se que através desse amor se pode encontrar a nossa verdadeira essência, e saber quem realmente somos.
Mas é possível descobrir quem realmente somos através desse amor divino?
Pode-se dizer que nosso comportamento diz realmente quem somos?
O amor à Deus e suas leis, nada mais são que comportamentos, que podemos internalizar ou simplesmente praticar. Um modo de vida.
Através do amor Jesus seduziu as pessoas, talvez seus ensinamento levem mesmo o homem à felicidade. Mas essas leis, sendo seguidas ou não pelo homem , não vão determinar quem ele realmente é, porque ao contrário de Jesus, o homem ainda é movido pelo desejo de poder, luta de classes, é um ser mesquinho, egoísta, bla bla... O homem pode adotar parcialmente todos esses comportamentos, mas isso nunca vai determinar quem ele realmente é.


Você sabe com quem está falando?



''O homem é um cadáver adiado.''  (Fernado Pessoa)

Crítica sensacional a respeito da arrogância humana.

terça-feira, 26 de abril de 2011

Religião







De onde surgiu a religião?


Segundo Erich Fromm, ela vai surgir de uma necessidade humana de sentido ou de busca de uma harmonia perdida. Quando o homem toma consciência de si mesmo e se liberta da condição de 'animal' ele parte para essa busca de sentido.


''O homem é o único animal para quem a sua existência é um problema que ele tem que solucionar e do qual não pode fugir. Todo novo estágio que atinge deixa-o descontente e perplexo, e esta mesma perplexidade impele-o a avançar em busca de novas soluções. Não há um 'impulso para o progresso' inato no homem, é a contradição de sua existência que o faz prosseguir no caminho que tomou.'' (Fromm)




O homem vai passar a procurar formas de recuperar essa harmonia que ele perdeu no momento em que tomou consciência de si no mundo, tendo a necessidade da 'Re-ligação' com o significado básico da vida, que pode ser através de uma religião ou simplesmente de um sistema como o ateísmo ou a filosofia.


''O fato de termos uma necessidade de significado não quer dizer que qualquer significado atenda a essa mesma necessidade.''
É preciso saber em que grau as soluções que encontramos para nossos problemas existenciais estão realmente nos favorecendo nesse sentido de encontrar o equilíbrio, a harmonia, até que ponto favorecem a expressão da força humana! Até que ponto estamos conscientes da influência que a religião exerce sobre nós? Nessa busca por sentido em religiões e crenças, em que momento o ''se encontrar'' se torna ''se perder''?




O que é essa motivação religiosa que já se mostrou tão devastadora em diversas ocasiões da história da humanidade?




Ps: Achei a imagem sensacional!

Poesia

  O fim de um breve caso


Tentei fazer o negócio de pé
dessa vez.
normalmente não custuma
funcionar.
dessa vez parecia
que...


ela seguia dizendo
''ó, meu Deus, você tem 
pernas lindas!''


tudo estava bem
até que ela tirou os
pés do chão
e enrroscou suas pernas
em volta dos meus quadris.


''ó, meu Deus, você tem
pernas lindas!''


ela pesava cerca de 63
quilos e ficou ali presa enquanto eu
trabalhava.


foi só quando eu cheguei ao clímax
que senti a dor
correr espinha
acima.


deitei-a no sofá
e caminhei ao redor
da sala.
a dor continuava.


''olha só'', eu disse,
''é melhor você ir. tenho
que revelar uns filmes
na minha câmara escura.''


ela se vestiu e se foi
e eu segui até a
cozinha para um copo
d'água. peguei um copo cheio
com a mãe esquerda.
a dor correu para além das minhas
orelhas e
deixei cair o copo
que se espatifou no chão.


entrei numa banheira cheia de
água quente e sais Epsom.
recém tinha acabado de me esticar
quando o telefone tocou.
ao tentar endireitar
minhas costas
a dor se estendeu por
pescoço e braços.
caí pesadamente
me agarrei às bordas da banheira
consegui sair 
com raios verdes e amarelos
e luzes vermelhas
lampejando em minha cabeça.


o telefone continuava tocando.
atendi.
''alô?''


''EU TE AMO!'', ela disse.


''obrigado'', eu disse.


''é tudo que você tem
pra me dizer?''


''sim.''


''vá à merda!'' ela disse e
desligou.


o amor se esgota, pensei
ao caminhar de volta ao 
banheiro, mais rápido
do que um jato de esperma.








Charles Bukowski, o velho bêbado assanhado, do livro: ''O amor é um cão dos diabos''.
Pra quem gosta de um livro de bolso pra ler no ônibus, na sala de espera do dentista, no engarrafamento, esperando o amigo que ta prestes a te dar um bolo, ou comendo pipoca no banco do parque numa bela tarde de domingo, eu recomendo.
Esse livro em especial, fala de muitos e muitos de seus casos com suas putas e suas curtas ''histórias de amor''. 
Ótimo pra fazer uma pausa depois de horas de filosofia na biblioteca! 



segunda-feira, 25 de abril de 2011

As três fases do espírito

1. A primeira fase, a do camelo. ''A força desse espírito clama por coisas pesadas e das mais pesadas.'' Esse espírito se encarrega de questões pesadas sobre a existência. Assim como o camelo atravessa o deserto, quente, perigoso, carregando peso sobre si, o espírito dessa fase se imbui na aura do questionamento não menos fatal do próprio ser. É sempre uma travessia solitária, única, mesmo se feita em companhia. O espírito do camelo se modifica em um mais impulsivo que aspira a liberdade.


2. Na solidão da cruzada particular, o espírito do camelo torna-se um leão, feroz e animal. Então, rebela-se contra o que antes fora seu Deus e que, hoje, nada mais é que um monstro mitológico em froma de dragão. Esse antigo Deus diz: ''tu deves'', mas o leão diz: ''eu quero''. Aqui nasce o espírito livre, pois é aquele que diz não a Moral. Apenas um espírito de leão tem coragem para combater esse dragão milenar, tratado como ouro, onde em cada uma de suas escamas está inscrita as leis da moral.


3. Por fim, paradoxalmete, o camelo, que virou leão, torna-se uma criança ou um espírito infantil. A criança carrega em si o germe do esquecimento e da inocência, mas acima de tudo, a tendência ao movimento por si mesmo. Se antes carregastes um mundo nas costas, se rebelastes contra ele, que podereis vós fazer para viver? Criar um novo, segundo a sua vontade. Vivendo a criança para sí. Ai então é que se diz: ''eu sou''.






Essa é uma crítica de Nietzsche à Moral, coisa que ele se dedicou bastante em fazer, com o obejtivo de fazer um pouco do que eu disse no post anterior, levar as pessoas a pensar! A se libertarem daquele conhecimento que é imposto no início de suas vidas, aquilo com a qual se deparam e são obrigadas a fazer desde cedo, aquilo que é dito como certo e errado. Ele propõe que as pessoas destruam essa idéia de moral formada de maneira equivocada, como ele explica depois em contextos históricos, e formem uma moral mais coerente com a realidade do homem. Ele não propõe a moral seja banida, ele tem consciência de que ela é crucial para a existência de uma sociedade, porém, uma moral que dê espaço para os desejos e necessidades humanas, uma moral que não repreenda a vida. Ele quer que as pessoas PENSEM sobre a moral existente, questionem, e formem sua própria moral.




Grande Friedrich.


Texto: João Douglas



E você? Qual a sua opinião sobre toda essa idéia de comportamento adequado, moral, imoral, correto.. que existe em nossa sociedade?

Introdução

 Para fazer a apresentação desse Blog, posso dizer que é uma forma que eu encontrei de descarregar opiniões, conclusões, estudos, críticas, dentre outros, a cerca de assuntos muitas vezes polêmicos ou pouco discutidos em qualquer lugar. Quero expor minhas opiniões e ouvir críticas positivas, negativas e construtivas, buscando um amadurecimento maior de idéias de forma mútua.
 Tenho por finalidade também promover uma reflexão, uma racionalização a respeito do mundo e quebrar pontos de vista preconceituosos que limitam e alienam um grande número de pessoas. Vivemos ainda em uma sociedade muito vendada, covarde e presa a estágios primitivos de aprendizado.
O que eu proponho é uma quebra de crenças e uma mistura de idéias, um corte, um abalo, um terremoto psicológico, um choque. Uma leitura, não só do meu blog mas de qualquer texto, o mais imparcial possível. Se deixe perturbar e refletir a respeito de tudo que acontece ao seu redor, se deixe abalar e evoluir.

 Afinal, assim como a ciência está sempre se contradizendo em busca da evolução, de respostas cada vez mais coerentes, nenhuma verdade é eterna, absoluta e irrefutável, tudo está passível de questionamento e dúvida, então porque não questionar? Não se chega a respostas sem que antes sejam feitas perguntas.

Questione.